quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Febre amarela: as principais dúvidas sobre a doença

Fio Cruz/Divulgação

Há dois tipos de febre amarela, a silvestre e a urbana. Qual é a diferença entre elas?
A silvestre é disseminada pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, circulantes em matas, e não em cidades. A versão urbana é transmitida pelo Aedes aegypti, o mesmo da dengue, do zika e da chikungunya. Não há registro de febre amarela urbana no Brasil desde 1942. As mortes de agora foram causadas pela versão silvestre, unicamente.
Existe a possibilidade de os mosquitos Haemagogus e Sabethes irem para a área urbana?
Não. Os mosquitos Haemagogus e Sabethes são de gêneros diferentes, mas tem comportamentos parecidos. Eles vivem em áreas de florestas densas, com vegetação abundante. Voam alto e geralmente ficam na copa das árvores. Sua fonte principal de alimentação é o sangue dos macacos que estão lá em cima. Ou seja, estão totalmente adaptados a hábitos silvestres que não vão encontrar na cidade.
Por que a versão urbana é um problema?
Porque seu potencial de disseminação é grande, na medida em que circularia nas cidades, em meio a um número muito maior de pessoas.
O macaco pode transmitir febre amarela?
Não. A febre amarela não é uma doença contagiosa, por isso sua transmissão não é feita de animal para animal, tampouco de animal para humanos nem entre humanos. A única forma de transmissão é pela picada de mosquitos infectados.
Qual é o papel de primatas na transmissão?
Primatas podem se contaminar com o vírus, exercendo também o papel de hospedeiros. Se picados, os animais transmitem o vírus para o mosquito, aumentando, assim, os riscos de propagação da doença.
 Se uma pessoa que foi infectada com febre amarela em uma área silvestre estiver no centro de São Paulo e for picada por um mosquito urbano, o Aedes aegypti, esse mosquito contrai o vírus e passa a espalhar a doença?
Sim e esse seria o início do ciclo urbano da doença. A febre amarela urbana acontece justamente quando o Aedes aegypti pica uma pessoa doente e depois pica outra pessoa susceptível, transmitindo a doença. Exatamente como acontece com a dengue, zika e chikungunya. Por isso é importante que todas as pessoas que moram ou frequentam áreas de risco se vacinem.
Quem precisa tomar a vacina?
O Ministério da Saúde recomenda a vacinação em crianças a partir de 9 meses de idade (6 meses em áreas endêmicas) e pessoas que moram próximo a áreas de risco.
Onde ela está disponível?
A vacina está disponível gratuitamente em unidades básicas de saúde da rede pública. Também é possível encontrá-la em clínicas particulares, ao custo de cerca de 250 reais.
Quem não deve tomar a vacina?
Crianças com menos de 6 meses não devem tomar a vacina sob hipótese nenhuma. Mães que estão amamentando crianças nessa idade também devem evitar se imunizar. Caso seja necessária a vacinação, o ideal é ficar dez dias sem amamentar o bebê. Em crianças entre 6 e 9 meses de idade, a vacinação só deverá ser realizada mediante indicação médica. A mesma recomendação vale para gestantes. Pacientes imunodeprimidos, como pessoas em tratamento quimioterápico, radioterápico, com aids ou que tomam corticoides em doses elevadas e pessoas com alergia grave a ovo também não devem se vacinar.

Estradas paranaenses começam a ser monitoradas pela PRF durante feriado

Fonte: Banda B

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) lança à zero hora desta sexta-feira (9) a Operação Carnaval 2018 em todo o país. Entre os focos das ações de fiscalização da PRF estão o combate à embriaguez ao volante, o controle de velocidade através de radares portáteis, a fiscalização de ultrapassagens indevida e uma atenção especial ao uso do cinto de segurança. Com seis dias de duração, a Operação Carnaval termina às 23h59 de quarta-feira (14).
Desde 2014, conforme levantamento da Polícia Rodoviária Federal, 63 pessoas morreram em feriados prolongados de Carnaval em rodovias federais do Paraná. Foram registrados, em média, 16 mortes a cada feriado.
Entre as principais causas dos acidentes com mortes no Carnaval de 2017 estão as ultrapassagens indevidas, desobediência à sinalização, sono e desatenção.
Oito das 20 mortes registradas no feriado passado ocorreram em colisões frontais. Treze aconteceram à noite ou de madrugada. Com exceção de uma, todas foram registradas com pista seca e em pelo menos três dos acidentes houve vítimas que foram ejetadas de seus veículos, o que indica que elas provavelmente não usavam cinto de segurança. Ainda foram registrados 192 acidentes e 196 pessoas feridas.
No Carnaval de 2017, os agentes da PRF multaram 173 motoristas dirigindo sob efeito de álcool no estado, o equivalente a um flagrante a cada 50 minutos.
Outros 845 motoristas foram autuados por efetuar manobras de ultrapassagem forçada ou em locais proibidos pela sinalização. E 14,5 mil tiveram imagens das placas de seus veículos capturadas por radares portáteis da PRF por transitar em velocidade superior à máxima permitida.
A PRF autuou ainda 106 motoristas por transportar crianças sem o uso de cadeirinha, bebê-conforto ou assento de elevação.
Cintos nas estradas
A Polícia Rodoviária Federal fará ao longo do Carnaval deste ano uma série de ações de educação para o trânsito em todas as regiões do Paraná.
Durante todo o feriado, agentes presentes nas Unidades Operacionais da PRF de todo o estado realizarão abordagens a passageiros e motoristas, com breves palestras acerca da importância do uso do cinto de segurança.
Em caso de acidente, o cinto de segurança, quando utilizado, evita que o passageiro seja arremessado contra partes internas de veículos, contra outros ocupantes ou mesmo para fora do veículo.

Uma pesquisa realizada em 2005 pelo programa SOS Estradas apontou que apenas 2% dos passageiros de ônibus de viagem disseram usar o dispositivo.

Jornalista fala aos vereadores sobre greve no O Diário


A diretora do Sindicato dos Jornalistas de Londrina e Região, Valdete da Graça, usou a tribuna da Câmara de Maringá na sessão desta quinta-feira (8), para apresentar aos vereadores os motivos da greve dos jornalistas de O Diário do Norte do Paraná.
Ela explicou que desde 2016 o jornal vem atrasando o pagamento dos salários e das obrigações trabalhistas, e os profissionais continuaram exercendo suas funções, mas agora optaram pela greve e por apresentar à sociedade o problema. “Ninguém gostaria de entrar em greve. Garanto que esse foi o último recurso para tentarmos obter uma solução,” ressaltou.

Os vereadores afirmaram compreender a situação e elogiaram a atuação dos profissionais que durante tanto tempo vêm enfrentado esse problema e mantendo a boa qualidade do material publicado pelo jornal. Eles ressaltaram que esperam que seja encontrada uma solução o mais rápido possível.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Uma pessoa morre a cada 14 horas nas rodovias federais do Paraná

Foto: PRF.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou uma balanço apontado que uma pessoa morre a cada 14 horas nas rodovias federais do Paraná. Sendo levantado que, 613 pessoas morreram em 2017, 5,98% menos que o verificado em 2016. A falta de atenção dos motoristas e o excesso de velocidade são as principais causas de acidentes com mortes.
Os homens representaram 77% das vítimas que perderam a vida. Motociclistas ou garupas foram 18,3% dos mortos. Ciclistas, 2,8%.
As equipes da PRF atenderam 10.643 acidentes no ano passado. Foram 3,4% menos ocorrências do que os 11.021 atendidos em 2016. O total de pessoas feridas também caiu, de 9.783 para 9.461.
A falta de atenção do condutor responde a 22,8% das mortes, enquanto a velocidade incompatível representa 18,6%. Na sequência aparece a desatenção do pedestre, com 13,2% das mortes; desobediência à sinalização (8,5%); ultrapassagens indevidas (6,8%); ingestão de álcool (5,4%); e sono (4,6%).
As colisões frontais responderam por 28,5% das vítimas mortas, seguidas pelos atropelamentos de pedestres (20%). Três a cada quatro mortes ocorreram em pista seca. Mais da metade foram registradas à noite ou ao amanhecer/entardecer (62,8%) e em trechos de pista simples (58,9%).


Hilux atinge moto no contorno de Marialva

Foto: André Almenara. 

Um acidente na rodovia BR-376, que ocorreu por volta das 6:30 na manhã desta segunda-feria (22), envolvendo uma Honda Titan 150cc e uma Caminhonete Toyota Hillux acabou resultando na morte do mototaxista Marcos Aurélio Toro, de 40 anos, que pilotava a Titan.
Segundo  a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motociclista seguia de Mandaguari sentido Maringá quando o condutor da caminhonete não respeitou a preferência da moto ao fazer o retorno, o que acabou resultando na colisão entre os dois veículos, a moto ficou presa embaixo da Hillux.

Marcos Toro morreu na hora. O corpo de Marcos Aurélio que morava em Mandaguari foi encaminhado para o IML de Maringá.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Maringá estreia com derrota fora de casa

Na tarde de sábado (20), o Maringá enfrentou o Atlético Paranaense em Curitiba pela primeira rodada do campeonato estadual de 2018. A equipe da cidade canção estava com dois desfalques importantes: Junior Prego, com o joelho lesionado, e Dan Dan, com lesão no tornozelo. O jogo começou com pressão do time da casa e, após sucessivas falhas da zaga maringaense, o Atlético não perdoou: após cobrança de falta, a bola sobrou e Deivid abriu o placar na Arena. Com o gol sofrido, o Maringá parece ter acordado e partiu pra cima do time da casa, principalmente com jogadas do lado esquerdo, comandadas por Paulinho Moccelin. Em um desses lances, Paulinho roubou a bola da zaga e partiu em velocidade em direção ao gol, até ser derrubado dentro da área por Demethryus. O árbitro Felipe Gomes da Silva marcou pênalti e mostrou o vermelho direto para o meia atleticano, porém, duvidosaemente, voltou atrás do cartão e aplicou apenas o amarelo ao jogador. O atacante Bruno Batata cobrou a penalidade máxima muito bem, jogando a bola no canto esquerdo do goleiro Léo, que pulou para o lado contrário. Os minutos que sucederam o gol maringaense foram de pressão da equipe visitante. Em outra bela jogada, Moccelin driblou os defensores atleticanos e bateu pro gol, obrigando Léo a fazer bela defesa. Após o lance, a pressão voltou a ser atleticana. Com muitas bolas alçadas na área, o Atlético ia chegando aos poucos, até sair na cara do gol, com o camisa 10 Giovanny, que parou nas mãos de Fábio. O goleiro maringaense começou o jogo nervoso, mas depois dos primeiros minutos fez um ótimo jogo. Mesmo com toda pressão, as duas equipes foram para o vestiário com o placar de 1 a 1.

Percebendo que, quando pressionou, o Maringá conseguiu boas chances, o time do interior voltou para o segundo tempo em cima do Atlético, mas não conseguiu chegar bem ao gol de Léo. O time da capital voltou a pressionar, mas a zaga maringaense segurou muito bem o ataque atleticano. Até que, aos 33 minutos, o juiz marcou falta duvidosa para o time da casa. Felipe Dorta cobrou e, numa infelicidade, a bola desviou, matando o goleiro Fábio que ainda tentou chegar na bola, porém sem sucesso. Após sofrer o segundo gol, o Maringá voltou a ir pra cima, usando da velocidade de Edmar e Chimbinha, mas não conseguiu invadir a sólida defesa atleticana. Assim, o jogo terminou 2x1 para o time da casa.

Mesmo com a derrota, o Maringá mostrou boa postura na capital. Tirando os primeiros 10 minutos, quando a defesa e o goleiro Fábio estavam cometendo algumas falhas, o time mostrou consistência defensiva e velocidade ofensiva. O grande problema pode ter sido o último passe, que dificilmente chegava ao atacante Bruno Batata.

Os jogos que finalizaram a primeira rodada neste domingo (21) foram bons para o Maringá. Nenhum dos times do grupo da equipe na primeira taça venceu, deixando-o todo embolado.

Fonte: 365Scores

O próximo compromisso da equipe da cidade canção é nesta quarta-feira (24), às 21:45, no Estádio do Café, contra o Londrina. Os ingressos para a torcida maringaense custarão R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia). Para o clássico, o Maringá conta com a volta do atacante Dan Dan. O jogo será transmitido pela Rádio Ingamar 1130 AM e também pelo Facebook.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Maringá Futebol Clube lança o novo uniforme: O Manto Maringaense



Na noite da terça-feira (16), depois de muito mistério e muita divulgação do evento, o Maringá FC apresentou os uniformes que serão usados na temporada 2018. O evento, realizado no Shopping Avenida Center, reuniu alguns dos jogadores, comissão técnica, comissão administrativa, imprensa e torcedores. No evento, assistido por mais de 250 pessoas, foram apresentados os uniformes 1 e 2 de jogo, de viagem, treinamento e passeio, totalizando 11 modelos. Os uniformes, da marca esportiva Karilu, estão disponíveis para compra na loja Esporte Fino, presente nos Shoppings Avenida Center e Catuaí.

Após a apresentação, o técnico Fernando Marchiori e a diretoria do Maringá responderam perguntas numa rápida coletiva de imprensa. O técnico do tricolor maringaense disse que nunca viu em nenhum campeonato um time estrear contra duas potências fora de casa, mas que o time vem preparado. O atacante Bruno Batata, que ficará no time para a disputa da Série D, também participou da coletiva e se mostrou confiante para a temporada 2018.

O Maringá estreia o novo uniforme no sábado (20) às 17:00 em Curitiba, contra o Atlético Paranaense. O primeiro jogo em casa do tricolor é apenas na terceira rodada, contra o Foz do Iguaçu, às 17:00 no próximo domingo (28).

Uniformes 1 e 2 do Maringá Futebol Clube
Fonte: Facebook - Maringá Futebol Clube - MFC